728 x 90
Tempo de Leitura: 2 minutos

Infelizes pelo resto do tempo

Infelizes pelo resto do tempo

Há muito tempo que não se lembrava dela. Nem mesmo uma mórbida curiosidade tinha. Esquecido? Talvez. Até aquele momento. Memórias quase extintas apareceram por alguns momentos do nada. Realmente do nada e sem um motivo qualquer ou mesmo uma dica.   Típico de dias monótonos e corriqueiros. Dias irrelevantes levam a pensamentos desnecessários e num

Tempo de Leitura: 2 minutos

Há muito tempo que não se lembrava dela.

Nem mesmo uma mórbida curiosidade tinha.

Esquecido? Talvez.

Até aquele momento.

Memórias quase extintas apareceram por alguns momentos do nada.

Realmente do nada e sem um motivo qualquer ou mesmo uma dica.

 

Típico de dias monótonos e corriqueiros.

Dias irrelevantes levam a pensamentos desnecessários e num destes momentos de cultivo ao ócio e ao silêncio continuo vinham raciocínios deste quilate.

Até gostava de se ver absorto por alguns pensamentos destes.

Já por este em especial se sentia desconfortável.

Continuava o mesmo.

Relutantemente se recusava a aceitar a mudança que ela pediu silenciosamente por anos e que ele negara apesar de empregar estas mesmas mudanças aos poucos sem mesmo perceber.

 

Não queria se lembrar.

Nem teria porquê.

Ponto final. E bastava.

Mas mesmo assim não sabia o que o deixava desconfortável.

Por muitos anos não soube dizer se desejava que ela estivesse mal ou se a queria bem como ele mesmo se sentia desde então.

Não mais. Não a desejaria o mal. Para quê?

Lembrava-se dela, mas sem saudosismo. Sem exageros.

Não enxergava nada além de uma imagem turva do seu rosto como era naqueles tempos.

Uma visão inexata surgia mostrando seus olhos de eterna ressaca machadiana que exaltava toda insatisfação que ela sentia e não externava.

Porém se lembrava do seu cheiro próprio de quem não usava perfume por causa da rinite.

Mas sem nostalgia.

Lembrava-se do sorriso falso e frágil, mas que em muitos momentos bastava.

Lembrou-se das vitórias em conjunto e das derrotas solitárias.

Já não se lembrava da última vez que a viu.

Nem do que falou naquele momento.

Parecia que este momento nem tinha acontecido.

Recordava da primeira vez que se viram e como.

 

E de como foram felizes.

Por um tempo.

E depois infelizes.

Pelo resto do tempo.

 

O tempo ainda era o mesmo que ele via voando e ela o enxergava como uma âncora.

Nas profundezas do seu pensamento se lembrou da primeira vez que se sentiu abandonado por ela.

Mesmo antes de ela partir.

E nisso se lembrou de quando a abandonou mesmo sem lhe dizer ou mesmo partir.

Quites não?

Mas ainda não entendia porque se lembrava dela.

Só se lembrava de como foram felizes.

Por um tempo.

E depois infelizes.

Pelo resto do tempo.

 


Gostou? Compartilhe! Obrigado! 🙂

 

Fabio Pires
ADMINISTRATOR
Perfil

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Sugestões de Leitura

Vale a Leitura!

Mais Comentados