728 x 90
Tempo de Leitura: < 1 minuto

Tapa na cara

Tapa na cara

Aquela primeira tinha pelos de cachorro espalhados pela roupa. E uma latente falta de humor. Além de asas que não conseguia abrir, Pois estavam abandonadas no fundo do armário. Já aquela outra não tinha aquele aroma de futuro que tanto procuro. Por viver entre urubus até que durou bastante, Nem o futum de carniça eu

Tempo de Leitura: < 1 minuto

Aquela primeira tinha pelos de cachorro espalhados pela roupa.
E uma latente falta de humor.
Além de asas que não conseguia abrir,
Pois estavam abandonadas no fundo do armário.

Já aquela outra não tinha aquele aroma de futuro que tanto procuro.
Por viver entre urubus até que durou bastante,
Nem o futum de carniça eu percebi.
Onde estava que nem eu mesmo sei?

Uma mais antiga tinha a cruz como destino.
Só não sabia se seria carregando ou sendo crucificada.
Nem rezando todos os terços que eu tinha em mãos
A castidade foi driblada.

Também teve outra de quem praticamente fugi.
Entrei pelos limites de um estado vizinho,
Entorpecido por vinho barato e estradas sinuosas
E saí corrido e correndo.

Teve também a alcoólatra solitária,
Que com a fofoqueira de janela
E a macumbeira insensível não me levaram a lugar algum.
Destas pulei rapidamente como se pula de um navio afundando.

Teve a que não me dizia nada
E só estava ali para ocupar tempo e espaço.
Mas aí terminou como as histórias acima.
No ponto final.


Comente!

Fabio Pires
ADMINISTRATOR
Perfil

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Sugestões de Leitura

Vale a Leitura!

Mais Comentados