728 x 90
Tempo de Leitura: 4 minutos

Aval intelectual por Eduardo Affonso

Aval intelectual por Eduardo Affonso

Meu próximo passo é ter um canal no iutube. Ou pelo menos postar umas laives. Sobre o quê? Faço a menor ideia. O importante é que tenha uma estante ao fundo. Estante ao fundo dá um ar acadêmico, agrega estofo intelectual. Cada volume ali no segundo plano é um viés de confirmação encadernado. Sem contar

Tempo de Leitura: 4 minutos

Meu próximo passo é ter um canal no iutube.

Ou pelo menos postar umas laives.

Sobre o quê? Faço a menor ideia. O importante é que tenha uma estante ao fundo.

Estante ao fundo dá um ar acadêmico, agrega estofo intelectual.
Cada volume ali no segundo plano é um viés de confirmação encadernado.

Sem contar que duvido que seja só eu que fique tentando ver o que está escrito nas lombadas e nem preste muita atenção ao que é dito, embasbacado com todo aquele bequigráunde cultural.
Afinal, é pra isso que serve a estante ao fundo, não?

“Será que ele leu aquilo tudo?”.

Claro que não. Ninguém leu todos os livros que tem na estante. Mas por que alguém teria aquele tanto de livro em casa? Porque a gente compra livro por impulso. Porque ganha livro de quem acha que a gente lê muito e porque a gente pega emprestado e não devolve. E para fazer figuração numa laive.

Breve, as livrarias – que já têm seções de clássicos, autoajuda e de livros com palavrão no título – terão também um espaço reservado a títulos escolhidos a dedo para fundo de laive.

– Boa tarde, vou fazer uma laive sobre neoliberalismo quântico. O que você tem nessa área?

– Pró ou contra?

– Se falei “neoliberalismo” é porque é contra, né?

– Desculpe, é que essa sua barba feita me deixou em dúvida. Este último lançamento do Jessé Souza tem tido muita saída. Capa dura, cores firmes que garantem boa definição mesmo em laives feitas com celular de segunda linha.

– Queria algo mais disruptivo, entende?

– Contemporâneo, disruptivo e com lombada de cores que valorizam uma laive progressista nós temos o Felipe Neto. Vai bem com estantes de madeira escura, pintada de branco ou até aquelas de sebo, de chapa de ferro.

– Me vê um Felipe verde limão, um azul piscina, um rosa choque e, vá lá, um Jessé daqueles magentas ali.

Antigamente, a gente tirava foto fazendo pose ao telefone – lembra disso?

Nas fotos feitas na sala de visitas, dava-se um jeito que aparecessem o cinzeiro de cristal na mesinha de centro, a estante com a Barsa ao fundo e, ao lado, a mesinha do telefone, com o dito cujo.

Foram-se o cinzeiro, a Barsa, a mesinha de telefone, o telefone. Resistindo bravamente ao Kindle, ficou a estante.

A laive na frente da estante dando a entender que a gente lê muito é o novo retrato fingindo que fala ao telefone.

Uma estante cromática e ideologicamente equilibrada é tendência para 2020.
Clássicos, sim, mas quando a falsa erudição é demais até o seguidor de laive desconfia.
Aquelas coleções imensas, que ninguém nunca nem abriu, encadernadas em verde, com letra dourada, pode esquecer.

É de bom tom que os livros estejam arrumados, pero no mucho.

A estante deve dar a impressão de que os volumes já foram consultados um dia. Cai bem um objeto de decoração, desses cuja procedência estrangeira seja claramente identificada. Um e outro livro na horizontal, displicentemente pousado sobre os demais – lembrando, sub-repticiamente, que é tanto livro que nem cabe mais em pé.

Já deve haver até personal-estanters, encarregados de customizar estantes para laives.

– Olha, Orwell e Clarice nunca saem de moda. Ficam bem tanto numa laive densa, daquelas com iluminação cênica, rosto meio na penumbra, quanto numa informal, de luz chapada, para fofoca de celebridade.

– Eu queria um casual chique, que valorizasse o Q.I. mas com pegada.

– É bom ter sempre um russo para agregar valor, um desses portugueses que insistem em escrever como antigamente – mas têm capas lindas -, um autor étnico para garantir a diversidade, um desconhecido que ganhou o Nobel e só por isso foi editado no Brasil, um da Rita Lobo – que dá leveza e gera empatia imediata – e pelo menos um dicionário de qualquer coisa.

– Que tal algum da lista dos mais vendidos, pra mostrar que sou antenado?

– A menos que seja uma laive sobre terraplanismo ou tutorial de bronzeador caseiro, jamais deixe um bestisséler à vista. E lembre-se: lombadas em tons de azul enfatizam a assertividade, em tons de laranja levantam o astral. Lombadas verdes, amarelas e vermelhas, só em casos específicos – e nunca misturadas.

Para não ficar monótono.

– e caso não se disponha de livro suficiente para três prateleiras -, pode-se fazer laives em livrarias e bibliotecas.

Normalmente não estão muito cheias e têm livro à beça.

O problema de ir a bibliotecas ou livrarias é quererem te empurrar algum.

– Não quer pegar um Bagno, um Safatle, emprestado? Devolve quando puder, sem multa…

– Não, obrigado.

– Um Olavo, então? Temos vários Olavos. Pegando um Olavo emprestado, leva 3 Sinottis que nem precisa devolver.

– Não, não…

– Olha, temos esse combo: Karnal, Cortella e Pondé. Três em um. Ou um em três, tanto faz. Pode fazer testidraive, sem compromisso.

– Olha, eu só queria mesmo fazer uma laive com um fundo culte, entende?

– Ok, você venceu. Temos uma promoção imperdível: levando dois Marilena Chauí, vai de brinde a coleção completa da Márcia Tiburi, inteiramente grátis. Com papel de presente, cartãozinho, caneca customizada e Uber por nossa conta.

Uma opção é comprar papel de parede imitando estante. Sim, existe. Nem precisa forrar a parede toda. Um m2 basta. É só tomar cuidado para não aplicar no sentido errado. E nem precisa usar óculos. O charme de intelectual está garantido.

Original na página Eduardo Affonso.

Nos siga também no Facebook e no Instagram!

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Sugestões de Leitura

Espaço Publicitário

Anuncie sua empresa conosco

Vale a Leitura!

  • Anuncie Aqui

    Anuncie sua Empresa Aqui