728 x 90
Tempo de Leitura: 4 minutos

Midnight Gospel e eu olhando no espelho

Midnight Gospel e eu olhando no espelho

  Midnight Gospel da Netflix é a versão animada do podcast The Family Hour apresentado por Duncan Trussell em que os temas das entrevistas circulam entre religiosidade, espiritualidade, o perdão, o nada, uso de drogas e a morte que é tema presente em todos os episódios.   Esta é uma série única e que muito

Tempo de Leitura: 4 minutos

 

Midnight Gospel da Netflix é a versão animada do podcast The Family Hour apresentado por Duncan Trussell em que os temas das entrevistas circulam entre religiosidade, espiritualidade, o perdão, o nada, uso de drogas e a morte que é tema presente em todos os episódios.

 

Esta é uma série única e que muito adulto terá dificuldade em entender (ou se conectar?), caso não tenha alcançado a intenção de se compreender ao menos um pouco.

Afinal é muito mais fácil definir a série como desenho animado feito por um doidão de ácido, como li em algumas críticas apressadas e cruas.

Midnight Gospel é muito mais que isso. É uma série madura.

 

A história.

A história gira em torno de Clancy que é apresentador de um “espaçocast”, de mesmo nome da série. Dublado por Trussell, Clancy visita vários mundos através do seu simulador de mundos de segunda mão (apelidado por mim de “xoxotão”).

Que simboliza nada mais que a volta às origens, exatamente de onde viemos.

Porém estes mundos estão sendo a beira da destruição e o objetivo sempre é entrevistar alguém que habite estes lugares e compreender quem são e o que fazem.

Sintetizando, Clancy é um colecionador de histórias, de sapatos e de experiências de morte.

 

The-Midnight-Gospel-

Clancy no xoxotão.

 

Para uma pergunta ali me foi dada a resposta.

O episódio 5 dessa série me foi apresentado por um amigo como a resposta a uma pergunta que havia feito.

“Assista uma, duas, três vezes e lá vai achar sua resposta. Ah! E depois assista aos outros episódios com calma e mais de uma vez cada”.

Não somente achei a resposta como achei várias respostas para outras questões e continuo achando complementos e direcionamentos toda vez que assisto.

E toda vez percebo algo na rica simbologia ou no texto livre de amarras e cheio de desconstruções protagonizado nas percepções do personagem principal.

Clancy/Trussell é o anti mestre, é aquele que se abre como em uma sessão de terapia aberta ao público e com todas suas fraquezas e cicatrizes expostas e chega através de seus entrevistados a conclusão (dentre várias no decorrer da série) de que resistir a dor só aumenta a intensidade e perpetua essa mesma dor.

Afinal ao que se resiste, persiste.

 


Nos siga também no Facebook e no Instagram!


 

Mas nada ali é aleatório.

Num mesmo ambiente colorido e cheio de simbologias vemos o entrevistador se abrir ao entrevistado, entregar suas falhas e vícios de mão beijada, mostrando, compreendendo e aprendendo pelo exemplo seja ele negativo ou positivo.

Clancy/Trussell não se coloca em um pedestal, na verdade ele passa todos os episódios seguindo seus entrevistados viajando de maneira literal e também figurada pelas divagações e devaneios das conversas.

Estas que podem ser conversas espirituais, existenciais e na maioria das vezes na primeira pessoa e mostrando seus exemplos sem medo ou vergonha de se expor.

 

 

Clancy questiona a realidade.

E assim pavimenta o seu caminho para a sua própria espiritualidade.

E para isso ele volta a sua origem, ao xoxotão. O que ao personagem parece uma fuga da sua realidade acaba sempre se tornando mais um passo dado para remodelar e redirecionar seu caminho (ou na descoberta) de vários caminhos.

Ele desconstrói as visões que temos da morte e dali cria alternativas que amenizam esta dor que é inevitável, porém amenizada como é sugerido.

 

Sem spoilers.

O apocalipse zumbi no primeiro episódio, assim como o diálogo com a Morte no episódio 7 ou no emocionante bate papo de Duncan/Clancy com sua mãe no episódio final nos mostra que se deixar levar e aceitar a dor não faz com que ela seja menos dolorosa e sim que seja parte dos ciclos a que todos nós estamos sujeitos.

Não resistir e aceitar limitações e o vazio.

Dói mas passa e que não temos controle sobre ela, afinal quem busca a vida precisa entender a morte.

 

Sincronicidade em Midnight Gospel!

A sincronicidade nos diálogos é sedutora, por mais que a avalanche de cores, imagens e símbolos nos tire do rumo muitas vezes.

Nos mostra também que prestar atenção aos detalhes por menores que sejam é o que nos conecta ao nosso próprio mundo. Ou ao presente que tanto fazemos questão de ignorar quando nos lamentamos pelo passado ou quando focamos em nossas ansiedades pelo futuro.

Nenhuma série, filme ou livro me mostrou tanto do quanto eu precisava enxergar quanto Midnight Gospel nesse período de reclusão pandêmica.

No meu caso o timing foi perfeito.

 

 

E o já citado quinto episódio.

É  aquele que me deu as várias respostas filosóficas que eu procurava.

E que lamber as próprias feridas e perceber as várias camadas da sua própria realidade podem ser feitos simultaneamente.

Naturalmente.

Este é o episódio da prisão das almas rebeldes, aquelas furiosas com seu próprio medo existencial e que não entendem que se colocam em uma armadilha toda vez que fazem força ou agem furiosamente para alcançar algo.

E daí caçam o próprio rabo sem sair do lugar na maioria das vezes.

Neste episódio vemos que todo caminho começa e termina dentro de si mesmo. A diferença é que alguns enxergam e outros fazem força em não ver. Uns se apegam a esperança como um ponto perdido no horizonte e que nunca chega.

 


Nos siga também no Facebook e no Instagram!


 

Vendo buscando o entendimento de que não posso controlar tudo ao meu redor.

E que deixar fluir sem esperar nada são alguns ensinamentos que ali encontrei e que falaram diretamente ao meu propósito pessoal.

E também que mudar faz parte da natureza e que nadar contra essa maré não me tira do lugar e talvez me obrigue a renascer, renascer e renascer.

Mas do que adiantaria renascer sem me reinventar?

Como esperar resultados diferentes se as ações são as mesmas?

 


Assista!

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

Sugestões de Leitura

Espaço Publicitário

Anuncie sua empresa conosco

Vale a Leitura!

  • Anuncie Aqui

    Anuncie sua Empresa Aqui