728 x 90
Tempo de Leitura: 2 minutos

Sociedade Moderna Trabalha mais que Camponeses Medievais

Sociedade Moderna Trabalha mais que Camponeses Medievais

  Estudos apontam que tempo de descanso e férias é bem menor hoje em dia. Entenda! Qualquer um que vive no mundo moderno sabe como são longas e cansativas as horas dedicadas ao trabalho – do transporte público até as condições às quais muitos se submetem. No entanto, o que poucos desconfiam é que trabalhamos

Tempo de Leitura: 2 minutos

 

Estudos apontam que tempo de descanso e férias é bem menor hoje em dia.
Entenda!

Qualquer um que vive no mundo moderno sabe como são longas e cansativas as horas dedicadas ao trabalho – do transporte público até as condições às quais muitos se submetem.

No entanto, o que poucos desconfiam é que trabalhamos mais do que os camponeses medievais, que eram submetidos ao regime feudal.

Trabalho versus lazer.

De acordo com o livro The Overworked American, escrito pela professora de sociologia Juliet Schor, da Universidade de Boston, em 1987 o norte-americano médio trabalhava cerca de 2 mil horas por ano.

Enquanto isso, um camponês adulto na Inglaterra do século 13 dedicava por volta de 1.600 horas anuais ao trabalho.

Em 2017, a média de horas trabalhadas por ano desceu para 1.780 – continuando maior que a dos camponeses do passado.

Isso contradiz previsões de economistas do século 20, que afirmavam que o tempo de lazer aumentaria exponencialmente com o passar dos anos.

Para John Maynard Keynes, fundador da economia moderna, até 2030 a sociedade ocidental seria suficientemente rica para que o tempo de lazer caracterizasse seu estilo de vida.
Mas essa previsão está longe de se concretizar.

“Antes do capitalismo, a maioria das pessoas não trabalhava muito tempo”, afirma Schor em seu livro.

“Considere um dia típico de trabalho no período medieval. Estendia-se do amanhecer ao anoitecer (dezesseis horas no verão e oito no inverno). Mas o trabalho era intermitente – interrompido no café da manhã, no almoço, no costumeiro cochilo da tarde e no jantar”.

Tais períodos de descanso eram direitos tradicionais,

Dos quais os trabalhadores desfrutavam mesmo nos picos de colheita.
Durante essas folgas, a adesão ao trabalho não era usual – diferente de nós, que checamos e-mails, mensagens e arquivos de trabalho em nosso tempo livre.

“Tudo dito, o tempo de lazer nas férias na Inglaterra medieval ocupava provavelmente cerca de um terço do ano”, escreveu ela em seu livro. E os ingleses aparentemente estavam trabalhando mais do que seus vizinhos. O antigo regime na França teria garantido cinquenta e dois domingos, noventa dias de descanso e trinta e oito feriados. Na Espanha, os viajantes notaram que as férias totalizavam cinco meses por ano”.

Enquanto isso, o cidadão moderno recebe a média de oito dias de férias após um ano de trabalho.

E, em períodos de alto desemprego e insegurança constante, os funcionários podem não ter escolha senão aceitar as condições estabelecidas pelo empregador.

Originalmente na página Aventuras na História.


Nos siga também no Facebook e no Instagram!

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Sugestões de Leitura

Vale a Leitura!

Descomplica pós