728 x 90
Tempo de Leitura: 3 minutos

“Eu até tenho amigos negros”

“Eu até tenho amigos negros”

“Eu até tenho amigos negros” é uma frase tão comum que já virou um bordão pintado de orgulho; uma medalha mal polida que o cidadão de bem levanta e mostra para uma multidão maravilhada com sua “mente aberta”. Nossa… um branco que tem amigos negros. O quão superior deve ser alguém assim?   Eu, por

Tempo de Leitura: 3 minutos

“Eu até tenho amigos negros” é uma frase tão comum que já virou um bordão pintado de orgulho; uma medalha mal polida que o cidadão de bem levanta e mostra para uma multidão maravilhada com sua “mente aberta”.
Nossa… um branco que tem amigos negros.
O quão superior deve ser alguém assim?

 

Eu, por exemplo, não sei quantos amigos negros tenho.
Aliás, só pensei nisso recentemente, quando notei o absurdo dessa assertiva, tantas vezes repetidas após a morte de George Floyd e todos os protestos do movimento Black Lives Matter.

Ter amigos negros, chineses, japoneses, árabes, persas ou nórdicos não faz de você uma pessoa boa ou ruim; os sentimentos de fraternidade e afinidade que sentimos por outro ser humano brotam dos dias, sorrisos, brigas e situações diversas.
Ou pelo menos deveria ser assim, creio.
Mas é claro que a vida é um pouquinho mais complicada, e a maior parte dos senhores e senhoras respeitáveis, jovens brilhantes e de família continuam e continuarão a se misturar com pessoas diferentes. Seja na classe social, seja na cor.

 

Até a década de 90, ainda era muito comum que programas de humor brasileiros mostrassem piadas racistas seu carro-chefe.

Eu sei que você riu muito das piadas do Renato Aragão sobre o Mussum. Assim como torceu o nariz para a relação entre Pelé e Xuxa.
Posso até imaginar que você tenha, em algum momento, proferido essa frase de ouro de tolos: “Eu até tenho amigos negros“.
Aposto que ao dizer isso, acrescentou um “amigos de quem gosto, que frequentam a minha casa”. Afinal, esse argumento é salvador. Quanto mais íntimo de um cidadão que teria sido seu escravo em outro período histórico, maior sua grandeza como pessoa.
E, claro, mesmo sem te conhecer, posso ter certeza de que você já fez comentários sobre “Aquela menina bonita. Tirando aquele cabelo sarará”.
Posso imaginar até que, em algum momento, você quis se aproximar dos reles mortais e comentou que aquele “Negão” era bem bonito.

 


Nos siga também no Facebook e no Instagram!


 

Vamos aos fatos:

Ainda que você acredite que é normal estabelecer diferenças entre você e qualquer pessoa “escurinha”, todos morrem e vão para o mesmo lugar.

A imagem de Jesus pode te parecer mais agradável da forma tradicional, com ares europeus, olhos azuis… Mas Jesus tinha, possivelmente, a mesma aparência do moço que limpa a sua rua, com quem você jamais falaria.

Comprar roupas e escolher suas cores, faz todo sentido. Escolha também a cor das paredes da sua casa, da lataria do seu carro, do seu esmalte ou do seu cabelo. Mas nada te dá o direito de escolher uma pessoa por esse critério.

 

Certamente você diz que não existe racismo no Brasil.

Mas observe cuidadosamente, quando puder entrar em um shopping, como o segurança sempre olha com atenção para pessoas negras.
Talvez essa pergunta nunca tenha passado por sua cabeça, mas quantos professores negros você já teve?

Quantos médicos negros te atenderam em toda a sua vida?

Quantas vezes você já atravessou a rua por estar sozinho ou sozinha com uma pessoa “de cor”?

Eu sei que é difícil de acreditar, porque eu mesma já precisei explicar essa dinâmica mais de mil vezes á minha mãe, mas creia-me: nenhum negro foi escravizado por vontade própria ou por falta de iniciativa para rebelar-se.

 

Ainda somos um povo muito tacanho, e sermos menos imbecis que os americanos no que tange à segregação racial, não nos faz bons.

Nos faz menos piores do que pessoas desumanas.
Então, não se vanglorie por ter amigos negros. Ou de qualquer etnia.
Tenha amigos. Ponto.
Sua ilusão de superioridade acaba em qualquer país europeu, onde te chamarão de preto ou preta e te perguntarão se você sabe sambar.

Em tempo: Até hoje não sei quantos amigos negros eu tenho.
Espero que isso realmente não faça diferença.


Deixe seu comentário

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

Sugestões de Leitura

Espaço Publicitário

Anuncie sua empresa conosco

Vale a Leitura!

  • Anuncie Aqui

    Anuncie sua Empresa Aqui