Category: Croniquetas e Papo furado

Uma relação iniciada através do gosto partilhado pela música de Frank Sinatra e hoje descrita a partir de algumas músicas dele com sorrisos e mais sorrisos.e Frank Sinatra
Croniquetas e Papo furado

Pizzas, cigarros e sussurros com a ajuda de Frank Sinatra

Tempo de leitura: 2 minutos
Uma relação iniciada (com a desculpa?) através do gosto partilhado
Por Frank Sinatra
E hoje descrita a partir de algumas músicas dele.

 

Fly me to the Moon

… É que estou me interessando por você…

Ele ficou sem saber muito bem como lidar como esta confissão, assim como também não conseguia tirar o sorriso do rosto.

Ela percebeu que depois de “Fly me to the Moon” aconteceu tudo muito rápido.

Um chegou no momento do outro como um trem sem freio.

E de bate papo intenso com ideias intensas gerou o interesse.

Absolutamente intenso, lógico.

E Sinatra era apenas uma dentre tantas afinidades.

 

Em seguida noites foram viradas pela ansiedade e pela necessidade em saber mais um do outro.

Pressa e urgência em descobrir quem era o outro atrás do celular.

Pressa e urgência que se contrapõem ao fato de que juntos (?) as horas passavam estranhamente devagar, contrariando o senso comum de velocidade temporal.

E cada vez mais e mais ansiavam a atenção do outro e os gostos similares pela música pareciam só desculpas esfarrapadas para se falarem o tempo todo.

 

Strangers in the night

Do Whatsapp para estrada.

E da estrada foram confirmar todas as afinidades.

E das afinidades pularam com naturalidade para cama.

 

Algumas guimbas de cigarro acompanhavam o incontável número de beijos trocados.

Os lanhos no corpo e as marcas de mordidas denunciavam a tarde que tiveram.

Ambos descabelados, ambos extasiados e sem resposta para paz que sentiram um com o outro.

Efeitos da serra?

Sorrisos. Suor. Tesão. Cabelos. Desgrenhados. Beijos. Longos. Paz. Olhares. Mais sorrisos. Cheiros.

 

E com o sorriso petrificado ele ouviu:

Fica lá em casa e me espera voltar do trabalho?

E desse esconderijo só saiu na segunda-feira de manhã.

 

Alguns dias depois ela se surpreendeu:

Abre este portão que estou aqui embaixo”.

Sorrisos. Mais sorrisos. Lençóis. Pizzas. Cigarros. Cabelos. Mais desgrenhados. Beijos. Mais longos. Paz. Olhares. Mordaças e mordidas.

 

The way you look tonight

Quando tentaram explicar deram de ombros e se perguntaram:

Por que não nós?

Quando tentaram entender logo desistiram e se entregaram:

Por que não desta vez?

Quando finalmente se questionaram:

Por que não mereço tentar?

Afinal quem define o que vai dar certo ou errado se guiando apenas pelo relógio?

 

Se apaixonaram pelo que nunca tiveram e pelo que nem perceberam que almejavam.

As dúvidas eram as mesmas, assim como os medos.

E por isso brigaram.

E por isso reataram.

 

Os passados ainda estavam vivos, mas respirando por aparelhos e saindo de cena.

Dando lugar, firmemente, ao que enxergavam possível construir.

Quem sabe?

 

The best is yet to come

Com ela aprendeu a sorrir.

Com ele tinha motivos para sorrir.

Com ela se permitiu sonhar.

Com ele descobriu que sonhos são feitos para serem vividos.

Com ela aprendeu a nunca dizer nunca e a entender o significado da palavra “espaço”.

Com ele aprendeu a evitar o retrovisor nos seus momentos de tristeza.

 

Juntos entenderam que palavras podem machucar.

Juntos sentiram que as mesmas palavras podem curar.

E de peito aberto se permitiram.

E ambos têm mais certeza de que o melhor ainda está por vir quando ouvem:

Vida, Você já está chegando? Estou com saudades .

 


Deixe seu comentário

 

Sabe aquele "branco" nos pensamentos. Vou usando minha picareta e forçando até que algo faça sentido. Para mim e quem sabe para o lê.
02jun
Croniquetas e Papo furado

O picareta ou a picareta?

Onde buscar inspiração? Como transformar transpiração em criação? Tem horas que nada sai…   Coço a cabeça, leio um jornal velho, folheio...

Quieto, pensativo e de boca fechada, naquele dia eu só almejava almoçar sozinho no refeitório da empresa, mas justamente nestes momentos não consigo...
26maio
Croniquetas e Papo furado

De boca fechada

Quieto e de boca fechada Eu desejava apenas almoçar sozinho naquele dia   Naquele dia decidi me sentar sozinho com a intenção de não chamar atenção alguma,...

Você já percebeu o quanto somos engolidos pela rotina do dia a dia? Esta crônica mostra um pouco da minha e o quanto não nos percebemos nela.
19maio
Croniquetas e Papo furado

Crônica do copo cheio e vazio

Crônica em um dia de percepção da sua própria realidade. Ou da sua, quem sabe?   Chegou ao ponto de ônibus debaixo de uma garoa fina bem diferente daquela chuvarada...

A maneira como você lida com seu tempo diz quem você é hoje? Nesta despretensiosa crônica carioca vivida em um diálogo mudo vemos o tempo passar.além daquele que desperdiçamos
12maio
Croniquetas e Papo furado

Quanto tempo ainda temos além daquele que desperdiçamos?

 Muito tarde ou muito cedo? Acordando ou indo dormir? Cabeça martelando de pensamentos vagos ou de arrependimentos?   Sentou ao lado de Drummond às 5 da manhã de uma...

Eu não sou apenas o que está no meu currículo. Sou muito mais que meras aptidões adquiridas e trapaças convenientes. Posso até ser sincero.
05maio
Croniquetas e Papo furado

Meu sempre incompleto currículo

Vocês já tentaram se descrever como em um currículo? Já tentaram se descrever de maneira honesta? Tá bom não precisa ser tão honesto assim…   Eu...

O horizonte, relógio e a pressa
16jan
Croniquetas e Papo furado

O horizonte, relógio e a pressa

O horizonte e o relógio me mostram que estou sempre longe e sempre atrasado, Todo dia e em todo lugar.   Sim, eu tenho pressa. Meu tempo urge e depois dos 40 ele parece se mover mais...

Raramente seremos criticados por quem estiver fazendo mais do que nós, mas sim por quem estiver fazendo menos. Leia este texto do professor Marcel Camargo.
15jan
Croniquetas e Papo furado

Na maioria das vezes, somos criticados por quem está fazendo menos Por Marcel Camargo

Raramente seremos criticados por quem estiver fazendo mais do que nós, Mas sim por quem estiver fazendo menos.   O que mais fazem é julgar. Julgar negativamente. Muitas pessoas parecem...

E me percebo fingindo ser adulto
14jan
Croniquetas e Papo furado

E me percebo fingindo ser adulto

Como definir esta passagem?  Quando você se percebeu adulto?   Afinal o que é ser adulto? É repetir exaustivamente que “na minha época era tudo melhor”?...