728 x 90
Tempo de leitura: < 1 minuto



  • Qual é o seu limite?

    Qual é o seu limite?0

    Qual é o limite entre algum humor e do mau humor? Qual é o limite entre o certo e o errado? Qual é o limite que nos impomos e que nos é imposto? Qual é o limite entre a transpiração e a inspiração? Qual é o limite entre o que posso fazer e o que

    READ MORE
  • No mesmo banco

    No mesmo banco0

    Costumo usar os mesmos lugares para identificar memórias e sensações diferentes. No mesmo banco   Sentado naquele mesmo banco de minha infância que guarda minhas mentiras sem nunca me julgar. Naquele mesmo banco, no meio de lugar algum, que é exatamente como me sinto. Sem de fato pertencer à algum lugar. Aquele mesmo banco de

    READ MORE
  • Antolhos

    Antolhos0

    Os caminhos que seguimos são invariavelmente caminhos sem volta. Vestir os antolhos e seguir em frente por vezes ajuda como em um cavalo puxador de carroças e sem perspectivas. A ignorância realmente é uma benção. Normalmente não temos muita noção que o que está por vir é infinitamente superior ao que acabamos de perder.  

    READ MORE
  • Reforma Ortográfica

    Reforma Ortográfica0

    Se tivesse eu que decidir faria uma reforma ortográfica completa. Na verdade, faria uma anarquia ortográfica. Aboliria todas as regras que nunca quis decorar. E todas que não compreendo a existência.   Aboliria todos os sinais. Sem sinais. Nenhum, por sinal. Talvez só mantivesse a vírgula pela minha egoísta e possível necessidade futura de um

    READ MORE
  • Saudades dispersadas

    Saudades dispersadas0

    Sinto saudades Daquilo que senti o gostinho e nem tive tempo de decorar a textura. Do que queria que prosseguisse e não pude concluir. Das coisas que sempre quis e nunca tive. Do número de telefone que não me chama mais. Das fugas desesperadas em horários perdidos e sem destino. Da marca de batom na

    READ MORE
  • Insistentemente fazendo a roda girar

    Insistentemente fazendo a roda girar0

    Insistentemente Fazendo A Roda Girar   Insistentemente Nascemos, Vivemos (?), Nos achamos por demasiado importantes e nos tornamos uma nota de jornal. Quando muito. __________________________________________ Insistentemente Desembarcamos, Seguimos o mesmo rumo de nossos pais (sem mesmo perceber) E servimos como número na estatística. _________________________________________ Insistentemente Somos puxados (quase expelidos) chorando, E se seguimos berrando, gritando

    READ MORE