728 x 90
Tempo de Leitura: < 1 minuto



  • Os deslimites da palavra por Manuel de Barros

    Os deslimites da palavra por Manuel de Barros

    Considerado um dos maiores poetas brasileiros, Manuel de Barros nasceu no Mato Grosso. Foi grande destaque na terceira fase do modernismo no Brasil, chamada “Geração de 45”. Em sua obra focou nos temas do cotidiano e da natureza. Ando muito completo de vazios. Meu órgão de morrer me predomina. Estou sem eternidades. Não posso mais

    LEIA MAIS
  • Aqui jazem minhas contradições e inquietudes

    Aqui jazem minhas contradições e inquietudes

    Aqui jazem minhas contradições e inquietudes E também minhas opiniões sinceras, Aquelas sem freios e sem endereço fixo. Atitudes exageradas, além das culpas que hoje não têm dono. Os medos infundados, os últimos sorrisos escondidos E possivelmente muitas das honras que foram maculadas. Aqui jazem, de braços dados, o homem que fui com o homem que

    LEIA MAIS
  • Antolhos

    Antolhos

    Os caminhos que seguimos são invariavelmente caminhos sem volta. Por vezes ajuda vestir os antolhos e seguir em frente, como a um cavalo que puxe carroças. A ignorância realmente é uma benção ou uma maldição. Normalmente não temos muita noção que o que está por vir é infinitamente superior ao que acabamos de perder. Mesmo

    LEIA MAIS
  • Insistentemente fazendo a roda girar

    Insistentemente fazendo a roda girar

    Insistentemente Fazendo A Roda Girar Insistentemente Nascemos, Vivemos (?), Nos achamos por demasiado importantes e nos tornamos uma nota de jornal. Quando muito. __________________________________________ Insistentemente Desembarcamos, Seguimos o mesmo rumo de nossos pais (sem mesmo perceber) E servimos apenas como mais um número na estatística. _________________________________________ Insistentemente Somos puxados (quase expelidos) chorando, E se seguimos

    LEIA MAIS
  • A flor e a náusea por Carlos Drummond de Andrade

    A flor e a náusea por Carlos Drummond de Andrade

    Preso à minha classe e a algumas roupas, vou de branco pela rua cinzenta. Melancolias, mercadorias espreitam-me. Devo seguir até o enjoo? Posso, sem armas, revoltar-me? Olhos sujos no relógio da torre: Não, o tempo não chegou de completa justiça. O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera. O tempo pobre, o

    LEIA MAIS
  • Rindo de piada velha

    Rindo de piada velha

      Na poesia é onde consigo dizer mais mesmo que em poucas palavras. É o lugar onde me sinto bem e me esvazio. É aqui na poesia que me permito dizer o que sinto e quem finjo ser  E hoje sinto que sou nada mais que uma piada velha. Para você, já fui o engraçadinho,

    LEIA MAIS