Croniquetas e Papo furado

Coca-Cola zero

Tempo de leitura: < 1 minuto

-Oi mulher, voltei! Sentiu minha falta?

-Já voltou?  Rápido, hein? Nem deu para perceber! Quatro anos para trazer uma Coca-Cola…

-Verdade! Precisava resolver umas coisinhas na minha mãe. E como está tudo por aqui?

-Por aqui está quase tudo como você deixou e por falar na sua mãe, como está a jararaca?

-Não fale assim dela, ela morreu no começo deste ano! Mas foi melhor assim já ela estava sofrendo muito desde que meu pai se foi.

-Seu pai também?

-É. Trabalhou a vida toda, né? Quando se aposentou, caiu no hospital.

-Podia ter ligado para avisar, eu gostava tanto do seu pai, já a sua mãe vivia me dizendo que você estava procurando pela Coca-Cola e que voltaria logo, eu até podia sentir certo ar de deboche na resposta dela.

-E ela estava certa. Voltei rápido! E o guri?

-O Luizinho está indo bem no colégio, sabe tudo de inglês!

-Inglês? Guri bom! Puxou ao pai!

-Reginaldo, a menos que você tenha usado estes quatro anos para aprender alguma coisa! Você saiu daqui sem sequer falar português direito…

-Ácida como sempre! Mas não vamos falar sobre isso. Sentiu minha falta?

– Só na primeira semana, depois não. Podia ter avisado, né?

– É verdade, meu amorzinho, mas o importante é que voltei!

– Verdade, Ih! Você trouxe Coca Cola comum? Zé Carlos está de regime, troca por uma Coca Zero?

 

Bateu a porta de casa em companhia da sua desprezada Coca Cola, resignado e com receio de perguntar quem era Zé Carlos.

Achou melhor voltar depois do Natal.

Só não decidiu de qual ano.

 


Comente, deixe sua opinião e compartilhe!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Armadilha controversa Deixe me explicar   Talvez você se identifique com estes textos. Talvez até enxergue alguém conhecido neles. Talvez até te sirva como esp...
Vivemos vidas baseadas em clichês Clichês. É o que me parece sermos enquanto agimos repetidamente em círculos e seguindo exatamente como definido no dicionário:   Lugar-c...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista de rock, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.