Me fingindo de morto

Me fingindo de morto

Me fingindo de morto sou menos incomodado.
Me fingindo de morto desistem logo de mim.
Me fingindo de morto ganho meu biscoito e fico na minha.
 

Minhas opiniões desistiram de mim e agora me sinto confortável com as dúvidas que decidiram ficar.

E isso vai de encontro a tudo que tentaram me empurrar goela abaixo.

Me confundo mais ainda quando não sei para onde olhar.

Nem mesmo sei se posso olhar.

 

Hoje prefiro me calar a tentar explicar.

Não deveria ser difícil e nem mesmo tentar.

Nem mesmo temer as reações.

Mas ainda assim o confronto já é algo que não mais me atrai.

Nem a minha interminável preguiça em usar alguma virgula penso em explicar.

 

Mas, lógico, isso tudo volta ao meu normal amanhã.

 


 

Gostou? Então comente, deixe sua opinião e compartilhe!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Sonhar é preciso por Augusto Cury Sabe aquele momento em que um texto "cai" no seu colo? E parece que responde muitas das suas dúvidas? Pois bem, este é o de hoje   Sem sonho...
Patético por Luiz Felipe Pondé Desconfio de quem diz não dar valor ao dinheiro. Normalmente se trata de uma falsa santidade   O que é mais importante na vida: ter ou ser? ...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista da banda de rock Diabo Verde, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.