O hoje no ontem
Croniquetas e Papo furado

O hoje no ontem

Tempo de leitura: < 1 minuto

Por vezes penso demais, me julgo demais e não me permito folgas na terapia que faço sozinho diariamente.

E este texto é fragmento invasivo destes momentos em que sinto o hoje no ontem

 

O inalcançável aponta em minha direção unicamente pela fenda que insiste em nunca suturar e consequentemente pela minha falta de habilidade em perceber que ele não existe.

A falta de confiança, por mais que sempre maquiada, surge do nada e dá as caras nos momentos mais impróprios e ainda que eu insista isso nunca fez sentido algum.

A incerteza transmite a certeza de que há algo fora dos meus padrões e se hoje persigo alguns parcos e oportunos momentos de alegria, como não percebi os que já passaram por meus olhos?

Descartar o que já tenho é um péssimo hábito que mantenho há anos.

Reforçada pela percepção que a maturidade em nada tenha me mudado neste aspecto.

Essa falsa impressão de controle de nossas ações nos condena a um eterno temor pelas próprias ações que tomamos.

Daquelas que acontecem ao sabor da raiva, da malícia ou mesmo do tédio ou talvez da mesmice.

Por tudo isso que desenvolvi argumentos eloquentes que utilizo nestes momentos em que inesperadamente sinto vergonha de mim mesmo.

E este descontrole proporcionalmente só faz por aumentar com o passar dos anos.

 

Na medida que a permanência neste mundo vai se estreitando a urgência antes sentida na adolescência vai reatando laços…

Com o dia a dia.

Com a mesmice.

Com o hábito.

E com o desânimo.

 

É o hoje batendo na cara do ontem.

E de mão aberta.

 

Foto por: Darren Hester

Gostou? Deixe sua opinião!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Chuva de gafanhotos Me acho no meio de uma chuva de gafanhotos Em que não posso abrir os olhos ou mesmo espiar. Só sei que aqui estou e ainda assim consegui achar a...
Apenas porque eu quero e nada mais Este é mais um desabafo do que propriamente uma crônica,  Apenas porque eu quero e portanto não vou procurar nenhuma outra explicação   Este é...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista de rock, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.