Uma relação iniciada através do gosto partilhado pela música de Frank Sinatra e hoje descrita a partir de algumas músicas dele com sorrisos e mais sorrisos.e Frank Sinatra

Pizzas, cigarros e sussurros com a ajuda de Frank Sinatra

Tempo de leitura: 2 minutos
Uma relação iniciada (com a desculpa?) através do gosto partilhado
Por Frank Sinatra
E hoje descrita a partir de algumas músicas dele.

 

Fly me to the Moon

… É que estou me interessando por você…

Ele ficou sem saber muito bem como lidar como esta confissão, assim como também não conseguia tirar o sorriso do rosto.

Ela percebeu que depois de “Fly me to the Moon” aconteceu tudo muito rápido.

Um chegou no momento do outro como um trem sem freio.

E de bate papo intenso com ideias intensas gerou o interesse.

Absolutamente intenso, lógico.

E Sinatra era apenas uma dentre tantas afinidades.

 

Em seguida noites foram viradas pela ansiedade e pela necessidade em saber mais um do outro.

Pressa e urgência em descobrir quem era o outro atrás do celular.

Pressa e urgência que se contrapõem ao fato de que juntos (?) as horas passavam estranhamente devagar, contrariando o senso comum de velocidade temporal.

E cada vez mais e mais ansiavam a atenção do outro e os gostos similares pela música pareciam só desculpas esfarrapadas para se falarem o tempo todo.

 

Strangers in the night

Do Whatsapp para estrada.

E da estrada foram confirmar todas as afinidades.

E das afinidades pularam com naturalidade para cama.

 

Algumas guimbas de cigarro acompanhavam o incontável número de beijos trocados.

Os lanhos no corpo e as marcas de mordidas denunciavam a tarde que tiveram.

Ambos descabelados, ambos extasiados e sem resposta para paz que sentiram um com o outro.

Efeitos da serra?

Sorrisos. Suor. Tesão. Cabelos. Desgrenhados. Beijos. Longos. Paz. Olhares. Mais sorrisos. Cheiros.

 

E com o sorriso petrificado ele ouviu:

Fica lá em casa e me espera voltar do trabalho?

E desse esconderijo só saiu na segunda-feira de manhã.

 

Alguns dias depois ela se surpreendeu:

Abre este portão que estou aqui embaixo”.

Sorrisos. Mais sorrisos. Lençóis. Pizzas. Cigarros. Cabelos. Mais desgrenhados. Beijos. Mais longos. Paz. Olhares. Mordaças e mordidas.

 

The way you look tonight

Quando tentaram explicar deram de ombros e se perguntaram:

Por que não nós?

Quando tentaram entender logo desistiram e se entregaram:

Por que não desta vez?

Quando finalmente se questionaram:

Por que não mereço tentar?

Afinal quem define o que vai dar certo ou errado se guiando apenas pelo relógio?

 

Se apaixonaram pelo que nunca tiveram e pelo que nem perceberam que almejavam.

As dúvidas eram as mesmas, assim como os medos.

E por isso brigaram.

E por isso reataram.

 

Os passados ainda estavam vivos, mas respirando por aparelhos e saindo de cena.

Dando lugar, firmemente, ao que enxergavam possível construir.

Quem sabe?

 

The best is yet to come

Com ela aprendeu a sorrir.

Com ele tinha motivos para sorrir.

Com ela se permitiu sonhar.

Com ele descobriu que sonhos são feitos para serem vividos.

Com ela aprendeu a nunca dizer nunca e a entender o significado da palavra “espaço”.

Com ele aprendeu a evitar o retrovisor nos seus momentos de tristeza.

 

Juntos entenderam que palavras podem machucar.

Juntos sentiram que as mesmas palavras podem curar.

E de peito aberto se permitiram.

E ambos têm mais certeza de que o melhor ainda está por vir quando ouvem:

Vida, Você já está chegando? Estou com saudades .

 


Deixe seu comentário

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Tapa na cara Aquela primeira tinha pelos de cachorro espalhados pela roupa. E uma latente falta de humor. Além de asas que não conseguia abrir, Pois estavam ...
Sobre tesão e ideias por Bruno Inácio O encanto que a inteligência e a visão de mundo podem exercer como atrativo sexual e emocional   A conversa na madrugada sobre aquele clássico ...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista de rock, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.