Quando deixar tudo é a única opção
Quando deixar tudo é a única opção
Fundindo a Cuca

Quando deixar tudo é a única opção

Tempo de leitura: 3 minutos
Há momentos em que deixar tudo é a única opção.

 

Longe de ser um ato de covardia ou de rendição, quem escolhe fazer as malas e olhar para o horizonte, veste a pele dos bravos autênticos.

Porque no final, a pessoa se cansa de segurar um coração partido, de chorar em segredo, e antes que a alma nos sopre, temos que sair.

Deixar tudo não implica em nada esquecer tudo o que viveu ou desenraizar todas as nossas identidades, todos os nossos elos.

É simplesmente sobre nos transformar.

Integrar o passado, o presente e o desejo de um futuro, num único ser, numa entidade capaz de se criar e não de “recriar-se” no sofrimento, na dor, no que é como um castelo de areia.

Na beira do oceano, não mais se sustenta.

De alguma forma, todos nós chegamos ou viremos a experimentar essa mesma sensação.

Aquilo de perceber aquela parte do que nos rodeia perdeu seu significado: algo acaba de expirar.

Há aqueles que têm a necessidade urgente de experimentar coisas novas, enquanto outros, o que eles percebem é a obrigação imperativa de se afastar do que os rodeia.

Para sua saúde física ou emocional.

Seja como for, deixar tudo não é fácil. Em nossa bagagem, somos acompanhados de medo e incerteza, e embora a cabeça diga “vai”, o coração se sente incapaz de fechar a mala.

 

Deixar tudo é também um ato de sobrevivência

Algo que falamos inúmeras vezes em nosso espaço é que nosso cérebro não gosta das mudanças.

Uma mudança implica risco e, portanto, um desafio para nossa sobrevivência.

No entanto, há um tipo de situação em que esse arquiteto interno de emoções, instintos e comportamentos nos dá um toque muito relevante.

Vamos dar um exemplo. Estamos passando por um período de intenso estresse.

Nosso ambiente exigente nos leva ao limite.

E mesmo nós, longe de administrar essa pressão, nos deixamos levar nessa maré incessante.

Agora, uma manhã, quando pegamos o metrô para trabalhar, nossos pés e nossa mente tomam outro rumo.

Começamos a caminhar e a caminhar, até quase sem saber como, chegamos à periferia do centro urbano, onde apenas a calma, o repouso e o equilíbrio vivem.

Nós precisávamos “escapar”.

Nosso instinto de sobrevivência repentinamente toma as rédeas e nos oferece o que pode nos ajudar mais: distância e silêncio.

Nosso cérebro não gosta de mudanças, mas devemos ter em mente que fará todo o possível para sobreviver e, portanto, esse convite para “deixar tudo” se traduz em uma necessidade de “cuidado pessoal” que não podemos ignorar.

Como fato curioso, falaremos sobre John Tierney.

Este jornalista do “New York Times” escreveu um livro chamado “Força de vontade” que se tornou um best-seller ao descrever suas próprias experiências com estresse, ansiedade e pressões externas.

Ele descreveu como o “autocontrole” mantido ao longo do tempo pode nos destruir.

Viver em situações opressivas faz com que, mais cedo ou mais tarde, o descrito acima aconteça: nosso cérebro bate na mesa para nos dar a entender o seguinte: ou fazemos uma mudança ou simplesmente perdemos tudo.

 

Se sua vida não é sua vida, procure sua verdadeira vida

Se a existência que você está carregando agora não se encaixar nos seus quebra-cabeças internos, vá embora.

Se você é um estranho em sua vida, saia e procure por si mesmo.

Se a realidade que o rodeia agora é habitada por pinos, voa.

Sua saúde física e emocional vai agradecer.

Agora, deixar tudo é algo que só nós mesmos podemos decidir.

Haverá quem tenha o suficiente para fazer pequenas mudanças para encontrar o bem-estar.

No entanto, em outras ocasiões, mudanças específicas não são suficientes.

Eles não aliviam, não curam, não reparam.

Precisamos dar um passo maior para deixar mais distância nos mapas pessoais que nos definiram antes.

 

Chaves para encontrar sua verdadeira vida

Ao deixar tudo, devemos ser claros sobre por que fazemos e que objetivo temos em mente.

Porque quando uma pessoa tem um “por quê” ele pode passar por qualquer “como”.

Se você favorece uma mudança, você a faz efetivamente, para ser aquela que realmente deseja: alguém feliz, alguém que toma as rédeas, alguém que se dá uma nova oportunidade de ser feliz.

Quando passamos por esses “tsunamis emocionais”, é necessário refletir e conversar com nós mesmos.

A melhor resposta sobre o que você deve ou não deve fazer é dentro de você.

Deixar tudo está longe de “escapar”, indicamos no início.

Portanto, você deve deixar claro para o seu ambiente por que você está fazendo isso.

Assuma o controle total de suas ações.

Ninguém vai garantir que esta mudança vai dar certo, no entanto, pode ser o melhor em sua vida.

Portanto, devemos administrar medos e incertezas.

De que maneira? Transformando-os em ilusões.

Lembre-se, finalmente, que nosso único propósito nesta vida é “florescer”.

Agora, é necessário sempre encontrar os melhores lugares, porque nem todos os cenários são saudáveis para nutrir nossas raízes.

 

Fonte:La Mente es Maravillosa.
Autora: Valeria Sabater.


Deixe seu comentário
Facebook Comments

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista de rock, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.