queria quero e quis

Queria, quero e sempre quis

 

Assumir derrotas de agora como vitórias em um futuro próximo é um dos passos que mais me apego
E como aprendizado não o deixo cair em desuso ou esquecimento

 

Queria me esvaziar de toda e qualquer preocupação e me despir de toda a vergonha que sinto por mim e muitas vezes pelos outros.
Tá bom, eu sinto vergonha alheia.
Quem sabe rodopiar nu em um dia de temporal na rua, gritando a plenos pulmões: “Eu me fodi!”.
Ainda que saiba que perdas e ganhos se confundem no âmago da minhas emoções.
E principalmente neste momento que seria só meu.

 

Quero ser modesto, rotineiro e de traços grosseiros como A Arlesiana, figura de olhar entediado sem muito parecer saber a razão de posar para um pintor, parecendo acreditar que tinha pouco a oferecer em termos de inspiração.
Exatamente como me sinto, sem algo a oferecer.
Sempre quis imaginar como seria cultuar o silêncio e a tranquilidade numa Avenida Presidente Vargas vazia e abandonada às 17 horas de uma sexta-feira.
Como se existisse algo parecido.
 

Imagem do site: http://www.libertacaoconsciente.com/


Queria entender o ato de sofrer como uma passagem necessária para então compreender onde errei.
E também se há algo que posso fazer para corrigir.

 

Quero amar quem acho no espelho toda manhã.
Mesmo me achando o mesmo todos os dias.
Ainda que saiba que mudo um pouco todos os dias.

 

Sempre quis compreender que por uns tempos ficar comigo mesmo não implicaria em discórdias e desconfianças e que ninguém pode gostar de mim mais do que eu mesmo.

 

Queria, quero e sempre quisme achar dentre os muitos que habitam comigo.
Mas por enquanto tenho a mim.
E basta.

 


Gostou? Comente!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Algum bálsamo A minha velhice está estampada na barba que nunca cresceu o suficiente. A minha velhice está visível na minha feição cansada. A minha velhice es...
1 minuto de prosa e uma vida inteira sem enxergar 1 minuto de prosa e uma vida inteira sem enxergar é um daqueles diálogos que eu adoraria não ter tido. Mas tive e dele tiro muitas conclusões. Tir...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista da banda de rock Diabo Verde, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.