Conselho a um recém-nascido - FORA DO PICADEIRO
recém-nascido

Conselho a um recém-nascido

 

Se você pudesse oferecer a um recém-nascido só um conselho,
Qual seria?

 

  • Não queira ser adulto antes da hora. Vai por mim bate um arrependimento enorme quando você se dá conta…
  • Brinque muito. Corra, sorria e se sinta realmente livre. Esta é uma das vantagens em ser criança e dificilmente vai sentir de novo enquanto adulto.
  • Na dúvida, pergunte. Melhor método de aprendizado impossível.
  • Chore sempre que sentir vontade. Mais tarde você vai ter mais motivos e ainda assim vai desabafar menos.
  • Sorria sempre que puder. Com o passar do tempo acabamos nos esquecendo disso.
  • Viaje. Muito. Sempre.
  • Tente ao menos uma vez na semana fazer exclusivamente aquilo que você quiser. Sem democracia.
  • Se ame. Muito e sempre. Se você não o fizer ninguém o fará.
  • Se afaste de quem não seja uma companhia positiva. Eles são maioria e sugam sua energia, além de se explicar porquê costumamos ter poucos AMIGOS.
  • Por falar em amigos, aprenda desde cedo a separar amigos de colegas. Com o passar do tempo esse discernimento faz uma enorme diferença.
  • Viva, no sentido próprio da palavra. Não deixe para depois. Pode não haver depois.
  • Não se deixe levar pela rotina. Ela normalmente te engole e te faz esquecer das suas preferências.
  • Não desanime, ficar insatisfeito é estado natural dos humanos. Sempre queremos o que não temos e ignoramos o que já possuímos. 
  • Faça aquilo que ama o máximo possível, sempre pode ser a última vez.
  • E todos estes conselhos talvez sirvam para qualquer fase da vida…

 

A cada dia que passa angariamos mais obrigações e cada vez menos prazeres.
Era um conselho só?
Tá bom eu exagerei, eu sei que era um conselho só e para um recém-nascido, mas se fosse mais simples eu certamente teria menos a dizer…

 


Comente, deixe sua opinião e compartilhe!

 

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Filosofia de Ferris   Hoje é sábado. Um lindo sábado de sol, daqueles que mesmo assim eu preferiria ficar em casa. Mas, não saberia dizer a razão, comecei meu d...
Bússola ou Deixa a vida me levar   Deixa a vida me levar...  Não mesmo!   Quem me conhece sabe que não curto muito música popular, mas este refrão em especial me incom...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista da banda de rock Diabo Verde, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.