Sem desculpas esfarrapadas

Sem desculpas esfarrapadas

Tempo de leitura: 1 minute
Perdoem-me, mas ontem não tive a menor condição de escrever por aqui

 

Me dei ao luxo de uma folga no primeiro dia do ano de 2018 por pura preguiça.

Assim como pela ressaca e sono também.

Já hoje, dia 2 de janeiro, ainda leio mensagens tipo: “Que o ano de 2018 seja assim, que seja assado”, “Que este ano novo seja maravilhoso” ou mesmo aquele antigo “Este ano vai!”.

Sei que a esperança sempre se renova quando o ano muda e que esta esperança é o que apazígua parte das nossas frustrações.

Eu entendo.

O que não compreendo é que, na maioria dos casos, ainda não tenhamos percebido que toda mudança parte de dentro.

A partir de nossos hábitos.

A partir do que pensamos.

A partir do que projetamos.

Assim sendo não temos como terceirizar esta responsabilidade.

Colocar a responsabilidade de qualquer espécie de melhora em fatores externos, como a simples passagem de um ano, para qualquer efetividade de mudança em nossas vidas é de uma covardia sem explicação.

E o raciocínio é bem simples, assim como o padrão ação e reação.

Se você não fizer nada de diferente do que vem fazendo, em nada este ano vai ser diferente do anterior.

Se você está insatisfeito com seu rumo tenha coragem e o mude.

Nisso cabe a pergunta que você pode fazer para você mesmo, baixinho pra ninguém ouvir:

O que eu tenho feito de diferente para que este ano seja diferente?

Já é mais que hora de nos tornarmos protagonistas de nossa própria existência e parar de procurar por desculpas.

Eu mesmo preciso me lembrar disso o tempo todo.

Que nós consigamos transformar nossas vidas a partir de 2018.

De dentro para fora.

Sem desculpas esfarrapadas.

 


Comente, deixe sua opinião e compartilhe!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Vença ou vamos continuar correndo atrás? Venho pensando sempre nas realizações Que tenho conseguido alcançar nestes últimos anos   Por mais que já me veja neste caminho há um bom tem...
A ampulheta desnecessária O excesso de perguntas camufla minha ignorância, Ainda bem que tenho pelo menos este subterfúgio. Não abuso de nenhuma arrogância intelectual qu...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista de rock, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.