veneno

Um copo de veneno sem gelo, por favor

 

Gosto de passear pela poesia quando não quero me explicar e deixar a interpretação na conta do leitor.
Ele que faça seu próprio sentido e tomem seu próprio veneno

 

Deleitando-se com um copo de seu melhor veneno
Que derrama, escorre e mancha sua única blusa
E sistematicamente espalha seu amor artificial pelo corpo.
 
Espreita-se de suas próprias ameaças
Como se fugisse de si mesmo
E pouco importa se morde o rabo ou foge da dentada.
 
Pouco se explora apesar de não ter cadeados,
Nem se importa em se ver perdido
E ainda assim usar um mapa.
 
Ludibria suas próprias vontades,
Desviando o olhar do cara que cisma em aparecer no espelho enquanto
Recita palavras vazias copiadas de um livro do Paulo Coelho.
 
Incinera seus desconexos objetivos
Com um palito de fósforo gasto,
Por serem tão superficiais e dispersos que São Tomé teria que vê-los.
Para crê-los.

 

Ilustração por Kleberrise.

 


Tem mais texto aqui embaixo!
O neandertal – FORA DO PICADEIRO

O neandertal


Comente, deixe sua opinião e compartilhe!

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.