Vivemos vidas baseadas em clichês

Vivemos vidas baseadas em clichês

Clichês.

É o que me parece sermos enquanto agimos repetidamente em círculos e seguindo exatamente como definido no dicionário:

 

Lugar-comum, repetido, chavão, comum, previsível e repetido.

 

É aquilo que fazemos sem perceber ou mesmo sem dar os merecidos créditos.

Ser mais do mesmo e mais um a seguir a manada.

Nascer, crescer, se angustiar, pagar contas, se frustrar e morrer.

Sei que não precisa ser assim, como seguimos esta mesma sequência insistentemente?

 

Quem nunca se percebeu repetindo os atos de seus pais?

Positivamente tanto quanto negativamente.

E estas são aquelas percepções que deixamos caladas no fundo de nossos pensamentos, aquelas que nem mesmo citamos na terapia e procuramos esconder para não aumentar ainda mais nossas frustrações.

 

E quase que vergonhosamente não admitimos aqueles hábitos que justamente mais criticamos e como resultado natural atraímos mais daquilo a que resistimos.

E o fazemos copiosa e repetidamente. 

Assuma vai, você sabe do que estou falando.

 

Foto por Mário no OpenPhoto.

Compartilhe, comente!

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

O sujeito no meio das pernas! Tenho andado meio desanimado. Olho em volta e sem empolgação alguma ainda tento conjecturar. Sei perfeitamente que antever o futuro nunca foi me...
Algum bálsamo A minha velhice está estampada na barba que nunca cresceu o suficiente. A minha velhice está visível na minha feição cansada. A minha velhice es...

Fabio Pires é o cara risonho da foto. Eu sou quem assina boa parte dos textos aqui publicados e quem escolhe os assinados por outros escritores. Sou carioca, tenho um livro publicado e vários outros na cabeça, sou baixista da banda de rock Diabo Verde, ranzinza, ácido, formado em Letras, graduado em filosofia de botequim, escrevo poesia, mas não me acho poeta e desde 1976 venho tentando fazer a coisa certa, mesmo sem saber muito bem diferenciar o certo do errado.